Carta aberta da AMME

A AMME, Associação Mãos de Mães de Pessoas com Esquizofrenia, pede mais proteção e respeito na semana de Conscientização sobre a Esquizofrenia.

Em 14 de agosto de 1941, o polonês Maximiliano Maria Kolbe recebia uma injeção letal dos guardas nazistas. O motivo se deu por conta da fuga de um prisioneiro do campo de concentração. Como forma de vingança, os guardas escolheram 10 pessoas para morrer, entre eles, um pai que se pôs a gritar por clemência e foi neste momento que Maximiliano pediu que o levassem no lugar deste pai, sendo Padre, foi a deixa para os guardas sanguinários.

Em 25 de maio de 2022, um dia após o Dia Internacional da Pessoa com Esquizofrenia, 81 anos após a morte de Maximiliano, policiais brutalmente tiram a vida de Genivaldo de Jesus, sendo ele, pai, pobre e com esquizofrenia.

Em nenhuma das situações Maximiliano ou Genivaldo ofereceram resistência.

Maximiliano foi canonizado em 1982 pelo Papa João Paulo II.

Genivaldo foi para o IML deixando esposa e filho enlutados.

A AMME – Associação Mãos de Mães de Pessoas com Esquizofrenia, vem por meio desta mostrar total indignação, comoção e fazer um apelo para que se cumpra a lei, onde a pessoa com Esquizofrenia teve seus direitos roubados quando deparada diante daqueles que representam a lei criada com o propósito de proteção.

A esquizofrenia traz consigo um rótulo demasiado timbrado por aqueles que a desconhecem, levando a crer que todos que dela vivenciam são pessoas de má índole, violentas e extremamente perigosas. Bem, temos a prova diante de todos que esta é uma inverdade e que pessoas “ditas normais” e preparadas para cumprir a lei, podem oferecer perigo ao cidadão.

A AMME solicita à Polícia Rodoviária Federal uma resposta pública fornecendo informações de como é feito o treinamento da corporação no que se refere a contenção física, já que os policiais alegam precisarem conter Genivaldo, o que é claramente visto em vídeos que o mesmo não esboçou qualquer atitude violenta.

Hoje, 27 de Maio, termina a Semana de Conscientização sobre a Esquizofrenia e queremos aproveitar deste triste momento para chamar atenção à população, aos profissionais da mídia, as Secretarias de Saúde, aos Governos – Municipal, Estadual e Federal para que compartilhem de campanhas de conscientização, não apenas da Esquizofrenia, mas do respeito aos cidadãos que levam consigo um diagnóstico, mas jamais uma sentença.

E que Genivaldo, com sua morte, traga aos seres humanos um pouco mais de empatia, tão em falta atualmente.

Maximiliano foi um exemplo de amor ao próximo, dando sua vida por outro.

Genivaldo, foi um exemplo do que nenhum ser humano deveria passar.

Sarah Nicolleli – Presidente da AMME

*Notícia publicada no Papo de Mãe – portal UOL. Acesse: https://papodemae.uol.com.br/noticias/carta-aberta-da-amme.html